From Skinny to Loose: uma nova era das calças jeans?

Deu no New York Times: depois de uma década, as calças skinny estão perdendo seu posto como absolutas favoritas entre os consumidores.

A matéria do NYT destaca que o obituário do jeans skinny já foi escrito várias vezes ao longo dos anos desde a sua ascensão há mais de uma década e, mesmo assim, a peça de roupa continuou super popular – não só nas lavagens mais clássicas, mas também em novas cores e cortes, e com diferentes porcentagens de stretch, sendo reinventada a cada estação.

No entanto, atualmente, os sussurros de que seu reinado esteja chegando ao fim pode ter um peso real já que os consumidores tem buscado cada vez mais calças jeans de cintura alta e modelagem mais solta. De acordo com a reportagem do NYT, os executivos da Levi Strauss & Co. confirmaram que as tendências de vendas confirmaram que modelagens mais soltas – até mesmo bem amplas, no estilo baggy – de calças jeans femininas e masculinas tiveram um boom nas vendas, e podem se tornar uma marca do mundo pós-pandêmico.

Chip Bergh, executivo-chefe da Levi’s, declarou, em entrevista, que o último ciclo do jeans durou mais de 10 anos e, embora possa ser cedo para dizer que chegou ao fim o ciclo das calças skinny, é possível ver uma demanda crescente dos modelos mais largos – não só na Levi’s mas também entre outros fabricantes de jeans. De acordo com Bergh, se essa tendência se sustentar por mais uma ou duas estações, é bastante possível que estejamos em um novo ciclo do jeans.

O principal estilo mais amplo buscado pelos consumidores é popularmente conhecido como “mom jeans“. Embora já estivesse à venda há alguns anos (eu mesma lembro que comprei meu primeiro mom jeans em 2017), foi neste último ano que o modelo passou a ganhar maior visibilidade em fashionistas das redes sociais e personagens jovens dos programas disponíveis em serviços de streaming. O look costuma ser formado pela calça mom com blusas mais ajustadas – segundo Bergh, esse parece ser o look favorito da Geração Z e dos jovens millennials.

Levi’s® RED™ Low Loose Work Pants 1
Fonte: Levi’s
501® Levi's® Crop Jeans 1
Fonte: Levi’s
Ribcage Wide Leg Jeans 1
Fonte: Levi’s

A reportagem do NYT ressalta que o tipo de jeans vestido pelos norte-americanos – seja ele calça boca de sino, flares ou skinny – costuma ser associado à eras específicas, e as lojas/fabricantes estão ansiosos pra ver o quão forte será a tendência dos jeans mais soltinhos nos tempos pós-pandemia. É claro que, para o setor de venda de roupas, depois de um ano de quedas vertiginosas nas vendas, a perspectiva de um novo estilo de jeans ser popularizado é animadora, já que este setor busca aumentar suas vendas e deixar os consumidores animados com (a compra de) roupas outra vez.

No Brasil, jeans é coisa séria. Uma reportagem de 2016 da revista Superinteressante mostra que o jeans representa cerca de 68% de todo o vestuário fabricado no país. Estima-se que 100 milhões de peças jeans sejam vendidas anualmente, fazendo do Brasil o 2º maior mercado de jeans do mundo, atrás apenas dos EUA. Todo ano, cerca de 40 modelos de jeans chegam às lojas todo ano, e 5 deles costumam virar tendência.

Na década de 1960, a marca Lee virou sinônimo de jeans no Brasil – do mesmo jeito que, até hoje, temos o costume de chamar lâminas de raspagem pelo nome da marca Gillette, naquela época as pessoas se referiam às calças jeans como “calça Lee”. No começo dos anos 1970, em meio à ditadura militar, vive-se o “milagre econômico”, concomitante a uma acelerada transformação no comportamento dos jovens. De olho no mercado brasileiro, em 1974, a Levi’s adaptou o corte dos seus jeans aos gostos nacionais: calças justas na frente para os homens, e atrás para as mulheres. No mesmo ano, a Ellus introduziu a moda dos jeans stone washed. Depois, vieram as grifes – é curioso pensar que em nenhum país do mundo há tantas marcas famosas assinando peças jeans como no Brasil.

No início do ano passado, a Levi’s introduziu uma coleção pequena de calças femininas de cintura alta, mais largas e wide-leg chamadas calças balloon, que venderam muito bem, levando a companhia a dobrar sua produção. No último quadrimestre de 2020, a Levi’s também viu um aumento de 50% das vendas dos modelos masculinos mais relaxados (como os clássicos da linha 500) em relação ao mesmo período no ano anterior. E pensar que, há poucos anos atrás, a Levi’s considerou interromper a produção desses modelos, que não estavam vendendo tão bem.

Stay Loose Jeans 1
Fonte: Levi’s
501® Levi's® Original Jeans 1
Fonte: Levi’s
Levi's® Vintage Clothing 501® 1954 Jeans 3
Fonte: Levi’s

Pode-se dizer que a pandemia tem uma influência direta nesta nova tendência, desde o ganho de peso que a maioria de nós teve no último ano até a animadora perspectiva de retomar um pouco de normalidade no dia a dia – ambas razões que podem motivar os consumidores a procurar novos modelos de jeans.

Para quem é fissurado em calça skinny, pode ficar tranquilo: mesmo que o look dos anos 2020s seja definido por calças jeans mais amplas, isso não significa o desaparecimento por completo dos modelos mais justinhos. A tendência é que tenhamos mais ofertas de mais modelos diferentes, aumentando as opções para atender aos mais diferentes gostos e ocasiões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s