O que aconteceu com “repensar o sistema de moda”?

No começo da pandemia, principalmente quando o surto tomou conta da Europa, o debate já antigo no mercado da moda sobre reinicializar sua abordagem tradicional de exibição, entrega e desconto de coleções começou a esquentar. Eu mesma escrevi alguns dedos de prosa por aqui sobre o tema. Entretanto, o interesse por essa questão diminuiu, com algumas das maiores marcas do setor, com mentalidades mais tradicionais e interesses significativos na manutenção do status quo, jogando água fria na ideia de uma reinicialização em todo o sistema.

Segundo a reflexão publicada no BoF, repensar as ineficiências do sistema tradicional é, certamente, mais urgente para marcas menores, que estão atualmente sob pressão como nunca antes devido à forte dependência de varejistas terceirizados e à falta de apoio financeiro para absorver choques causados pela pandemia. Mas a abordagem atual da moda está fundamentalmente fora de sincronia com o mundo de hoje e, em última análise, destrói valor para toda a indústria, incluindo as super marcas.

De qualquer forma, já sabemos que não podemos mudar de um mundo passado do “modelo A” para um mundo futuro do “modelo B”, onde todos os jogadores adotam uma abordagem única para desfiles, entregas e descontos. De fato, é mais provável que vejamos o surgimento de modelos de A a Z, com cada marca fazendo o melhor para seus próprios negócios. No entanto, o calendário do setor exige um certo grau de coordenação para funcionar, com atividades desde entregas de lojas de departamentos até semanas de moda. E as pequenas marcas, com mais incentivos para atualizar sua abordagem, terão dificuldade em avançar, a menos que os grandes players também participem.

A mudança claramente não acontecerá da noite para o dia. De acordo com o BoF, muito embora o coronavírus tenha se mostrado um catalisador para a conversa sobre mudanças sistêmicas, a pandemia também criou uma enorme incerteza que pode simultaneamente criar obstáculos à reforma. O ciclo da moda que começa em setembro provavelmente será altamente incomum, com a incerteza programada para continuar até 2021, à medida que as empresas se preparam para a possibilidade de uma segunda (ou terceira) onda de infecções. Com tanta coisa no ar, pode levar de 12 a 24 meses para que as coisas se acalmem e o sistema evolua. Mas, para acompanhar o mundo digitalizado e globalizado, é preciso evoluir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s