Há algum tempo atrás, fazer compras em brechó só era cool se fosse na Europa. Graças a Deus, observo que essa mentalidade está mudando e tem cada vez mais gente comprando em brechós brasileiros, e que os brechós brasileiros tem oferecido cada vez mais peças muito boas para o consumidor!

preloved is the new love

Uma das coisas importantes da consultoria de estilo é trabalhar o consumo consciente, evitando compras impensadas e armário entulhado, facilitando o processo de vestir-se e exercitando o raciocínio e a criatividade. E falar em consumo consciente é também falar de ética e sustentabilidade: é consumir menos, gerar menos lixo pro mundo, e pensar pra quem estamos dando o nosso dinheiro.

Quando a gente se dispõe a visitar brechós na busca de peças para incrementar nossos armários, as vantagens não são só individuais, mas impactam também pro bem do mundo todo. As araras lotadas dos brechós podem desanimar um pouco na hora das compras, mas permitir-se um tempo pra fuçar esses espaços pode ser uma verdadeira caça ao tesouro, encontrando peças únicas e absolutamente incríveis!

Nos brechós, é impressionante a quantidade de roupas boas que são descartadas pelas pessoas: muito mais do que coisas velhas e puídas, as araras dos brechós costumam ser abastecidas com peças das marcas que a gente deseja, e que usam bons materiais, com bons acabamentos e caimentos muito melhores do que a média. Bons brechós selecionam as suas peças a partir de critérios como boa conservação e manutenção, boa aparência e pouco uso, o que resulta num uso esperto do nosso dinheiro. Afinal, mesmo quando foram muito pouco usadas, as peças de marcas boas, e que tem ótima qualidade, são vendidas nos brechós por um preço muuuuuito mas muuuuuuiito menor do que o praticado nas lojas convencionais.

Se as araras dos brechós estão sempre lotadas, isso se deve muito à velocidade insana da produção da indústria, dos preços baixíssimos praticados às custas da precariedade de materiais e da falta de dignidade dos trabalhadores, das propagandas que incentivam as pessoas a comprarem muito e com muita frequência, e a falta de difusão de conhecimento relacionado à responsabilidade que temos que ter ao descartar roupas (e qualquer outra coisa). Quando a gente se compromete a não consumir o que não faz diferença na nossa vida, a gente pára de produzir desperdício e não contribui mais com esse esquema consumista. Pra consumir de modo consciente, é importante parar de levar mais do mesmo e deixar o nosso armário com mais variedade, mais possibilidades de coordenação, mais versatilidade e mais praticidade.

Os brechós também nos ajudam a aperfeiçoar as nossas escolhas, treinando o nosso olhar e dando espaço pra novas ideias surgirem, exercendo a nossa criatividade e verdadeiramente colocando pra fora a nossa identidade na hora de se vestir. Quando uma marca lança uma coleção, ela é pensada para facilitar as coordenações, e a gente acaba se sujeitando àquelas fórmulas prontas que os estilistas propõem. No brechó, a gente acaba sendo o estilista de nós mesmos: pensamos em combinações inusitadas, expandimos as possibilidades e ultrapassamos o limite da zona de conforto ao procurar o que faz sentido pra nossa vida e o que vai, de fato, adicionar ao nosso armário algo de positivo.

Na hora de fazer compras, o planejamento é sempre importante, e a caça aos tesouros nos brechós também requer um planejamento, que deve ser ajustado pra esse tipo de loja. Além de verificar o armário pra ver o que tá faltando e fazer uma lista (tão específica quanto possível) do que precisa ser adquirido, vale a pena saber se há um dia específico em que as araras são abastecidas e programar a visita na sequência desse abastecimento, saindo de casa com uma roupa simples e descomplicada que não vai te desestimular caso os provadores sejam precários.

É importante sempre fiscalizar a conservação da peça (pra não comprar nada furado/rasgado/puído), e, mais do que nunca, ficar de olho nas etiquetas internas das peças, já que os bons tecidos vão durar muito mais, e o preço precisa ser condizente. Etiquetas internas devem estar bem nítidas, principalmente no caso de peças delicadas, que é pra gente saber direitinho todas as instruções de lavagem e cuidado. Se for uma peça bordada e/ou com aplicações, a fiscalização tem que ser ainda mais cuidadosa. Também é bom pensar fora da caixa e prestar atenção no potencial das peças: muitas vezes, uma boa costureira pode transformar aquela roupa e dar maior versatilidade pro nosso vestir diário. Nesse caso, é importante pensar se o gasto total (valor da peça + ajuste) compensa.

Acho que já falei disso por aqui, mas não custa nada lembrar: quando estamos comprando, é fundamental só comprar peças que possam render looks com pelo menos outras 3 peças que já estão no closet. É essa matemática que faz o nosso armário render! Além disso, em qualquer compra é MUITO IMPORTANTE experimentar TUDO. Em qualquer loja, mas principalmente nos brechós, os números das etiquetas não são um guia definitivo pra sabermos o que veste bem, porque a numeração e a modelagem varia muito de marca pra marca, e roupa de segunda mão pode ter sido ajustada, encolhido na lavagem ou cedido com o uso… por isso é muito mais importante prestar atenção ao caimento do que ao número escrito na etiqueta. E jamais compre coisas que não vestiram super bem e que não despertam entusiasmo: a gente tem que amar tudo o que a gente compra, que a garantia de que a gente vai vestir logo e muito!

Ademais, é bom evitar roupas que tenham cheiro forte: os brechós costumam higienizar as peças antes da sua exposição e, se o cheiro não saiu, pode ser que nunca mais saia. É recomendável lavar/vaporizar/higienizar as compras feitas no brechó mais uma vez antes de usar. E, se o seu estilo não combina com o que é vintage, dá pra achar muita coisa atemporal nos brechós: quanto menos cara de tendência datada a roupa tiver, maiores as chances de render bons looks com o que a gente já tem no armário.

Eu adoro o termo “preloved”, usado em inglês para definir o mercado de segunda mão e que, em tradução livre, seria algo como “previamente amado”. Quando colocamos no nosso armário algo que já foi previamente amado, a gente não só ganha um novo amor, mas também prolonga a vida de todas as histórias que aquela peça já viveu.

2 comentários em “Pra fazer boas compras em brechós

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s