Zona de conforto ou look assinatura?

Estamos sempre ouvindo que é preciso sair da zona de conforto – ou melhor, das muitas zonas de conforto: seja no trabalho, no que fazemos em momentos de lazer, no que vestimos, etc. Pois eu venho humildemente contestar esse tipo de afirmação – pelo menos no que diz respeito a ter uma zona de conforto dentro do seu armário.

Não, você não leu errado. Não, eu não to doida. Na verdade, eu acho que o papel de um consultor de imagem e estilo pessoal é justamente ajudar cada indivíduo a encontrar a sua zona de conforto, transformando-a no que podemos chamar de “look assinatura”.

Pensa comigo: quantas vezes você já abriu seu armário abarrotado de roupas e teve a certeza de que não tinha o que vestir? Quantas vezes você comprou um acessório, um sapato ou uma bolsa da moda e acabou não usando? Em meio a todas as tendências de moda que consumimos, é fácil confundir-se e lotar o armário de coisas que simplesmente não fazem sentido para nós. Mas eu também tenho certeza de que, no meio de todas essas roupas que te levam a acreditar que não tem o que vestir, você tem algumas peças do coração, aquelas na direção das quais você sempre gravita, aquelas que te fazem sentir segurança e que te ajudam a ter mais gás pra enfrentar o mundo. Acertei?

Essa seria a sua zona de conforto – ou melhor, as peças que podem compor o seu look assinatura.

Se você ama usar terninho, este pode se tornar seu look assinatura. Se você ama vestidos, eles podem ser seu look assinatura. Se você gosta do comprimento midi, você pode adotá-lo como seu look assinatura. E você também pode ter mais de um look assinatura. Aliás, eu diria que a gente deve ter alguns looks assinatura, algumas combinações de peças que nos dão muita segurança e tranquilidade ao vestir para as mais diversas situações.

Em tempos de quarentena, muita gente tem descoberto a importância do conforto no home office, e tenho certeza de que muitas pessoas vão querer implementar o conforto nos looks de trabalho uma vez que a rotina fora de casa for retomada no “novo normal” (ainda não sei se gosto desse termo). E eu diria que o seu look assinatura deve ser, sim, muito confortável. 

Eu reconheço que tenho alguns looks assinatura, que compõem a minha “zona de conforto” pra facilitar a minha vida. Até mesmo para o home office eu tenho um look assinatura, já que (mesmo antes do coronavirus) eu passo muito tempo estudando, escrevendo e trabalhando de casa: calça de moletom + t-shirt, com um casaco de moletom sempre por perto. Aliás, acho que já falei por aqui que não vejo nada de errado em trabalhar de casa usando moletom; muito pelo contrário, acho a melhor opção desde que esteja num estado decente (no mínimo, sem furos ou rasgos). Para o look do home office, a minha regra é não usar nada que não pudesse usar na rua ou numa chamada de vídeo.

A gente nunca pode confundir conforto com desleixo. É absolutamente possível e nem um pouco difícil montar um look confortável com cara de pensei-muito-me-esforcei-e-o-lookinho-ficou-ótimo sem, de fato, gastar muito tempo pensando no look. Para isso, bastam algumas ferramentas de styling. É lógico que a ajuda de um consultor de imagem profissional será valiosa nesse momento, o que não significa que você não possa aprender alguns truques sozinho.

Porque você não deve cortar sua franja na quarentena

De repente, nos últimos dias, parece que todo mundo resolveu cortar o cabelo em casa. E eu perdi a conta de quantas pessoas mostraram nas redes sociais seus novos cortes de cabelo – a grande maioria, cortando uma franja pela primeira vez.

Venho, por meio deste, muito humildemente, como consultora de imagem, aconselhar que você evite cortar seu cabelo em casa e, principalmente, quero apresentar algumas razões para você não cortar uma franja pela primeira vez nessa quarentena.

Eu canso de repetir a seguinte frase: tem gente que nasceu pra usar franja, e tem gente que nasceu pra não usar franja. Parece um exagero, mas é verdade. Eu fico pensando na Sofia Vergara, por exemplo, que é uma visão de mulher, uma instituição, e perdeu muito na imagem quando cortou uma franjinha. Não me entendam mal, ela continuou linda, até porque nada pode tirar a beleza daquela mulher, mas ela fica ainda mais monumental sem franja – tanto que ela deixou crescer de novo.

Cabelo cresce, é verdade. Mas, falando com propriedade – afinal, eu uso franja desde que me entendo por gente -, parece que o cabelo e, principalmente, a franja demoram mais a crescer quando a gente quer que cresça. No meu caso, eu não usei franja por 2 momentos na minha vida – em 2001/começo de 2002 e em 2004/meio de 2005. Eu lembro que demorou muito a crescer o suficiente pra não precisar prender com grampos/arco e, quando enfim cresceu o suficiente pra incorporar ao cabelo, eu vi que aquela imagem não me representava. Desde então, eu já tentei várias vezes deixar minha franja crescer, mas além de perder a paciência rapidamente, eu não me reconheço sem franja. E, veja bem, minha franja cresce igual capim, eu tenho que cortar mais ou menos a cada 2 semanas, mas toda vez que eu penso “acho que vou deixar a franja crescer de vez” parece que ela resolve demorar um século pra crescer.

Quando a gente fala de cabelo, a gente tá pensando na moldura do rosto. Já falei um pouco disso por aqui num post sobre análise cromática e a coloração capilar. Se isso é válido para a cor do cabelo, é ainda mais importante quando pensamos no corte. O corte certo pode elevar seu visual de uma maneira incrível, enquanto um corte errado pode derrubar a sua imagem e, consequentemente, mexer com a sua autoestima de modo negativo.

Pode-se argumentar que existe um tipo de franja para cada formato de rosto. Enquanto isso pode ser verdade, eu ainda me atenho a máxima de que tem gente que, simplesmente, não deve usar franja. Quando se pensa em franja, não pode-se considerar somente o formato do rosto (embora seja aspecto fundamental também): é importantíssimo pensar na textura do cabelo, se tem ou não redemoinho, pra qual lado é a sua risca, etc.

Alguns cabeleireiros chegaram a dar entrevistas com dicas de como cortar uma franja pela primeira vez em casa, o que eu achei algo arriscadíssimo. Eles sugerem que você identifique um triangulo formado entre o topo da cabeça e as pontas das sobrancelhas, e aí faça o corte. Mas o que eles não te contaram é que a quantidade de cabelo pode ser diferente na composição desse triângulo, dependendo da textura e volume, e também do formato do rosto.

Ademais, a franja comunica, de forma geral, uma imagem muito jovial, quase infantil (dependendo da quantidade de cabelo na franja, da textura do cabelo, do corte do cabelo, etc). É sempre importante pensar na mensagem que estamos querendo comunicar com a nossa imagem, lembrando que o rosto é a nossa ferramenta principal.

Eu sei que, em tempos de quarentena, a gente fica querendo inventar coisas pra fazer. No meu caso, por mais atarefada que eu esteja com as atividades do doutorado + afazeres domésticos + produção de conteúdo, eu tenho também meus momentos de tédio e quase desespero. Aqui em casa, já mudamos todos os móveis de lugar e até compramos mais alguns na Ikea que eu montei semana passada pra criar nosso closet. Hoje (21/abril) é meu 51º dia sem sair de casa, e eu sou uma pessoa diagnosticadamente ansiosa – imagina quanta m3rd4 eu já poderia ter feito no meu cabelo nesse tempo todo?! Muita.

Desde que eu saí do Brasil, em janeiro/2017, eu nunca cortei o cabelo fora. Na Armênia, eu simplesmente não confiava no meu russo pra sentar numa cadeira de cabeleireiro, além de não saber se os cabeleireiros de lá saberiam lidar com a textura + volume do meu cabelo (fio muito fino + muito cabelo). Aqui na Suíça, eu não corto simplesmente porque acho muito caro. Ou seja: desde janeiro/2017, eu só corto o meu cabelo quando vou ao Brasil (uma vez ao ano), com meus cabeleireiros de confiança, que me entendem e, mais importante, entendem o meu cabelo.

Não é o ideal, mas é o que eu posso fazer pra evitar que dê ruim na minha imagem. É fato que o ideal é cortar o cabelo ou, pelo menos, aparar as pontas a cada 3 meses. Era isso que eu fazia quando morava no Brasil. Mas as coisas mudaram e eu precisei me adaptar pra sobreviver.

Só que eu uso franja. E aí vocês me perguntam: como eu faço? Tem, pelo menos, 15 anos que eu corto minha franja sozinha a cada duas semanas mais ou menos. Quando eu era criança, a Mivó cortava a minha franja entre uma ida e outra ao cabeleireiro, e a primeira coisa que ela me ensinou foi sobre a importância de ter a tesoura certa pra cortar.

Não pensem que foram 15 anos sem fazer m3rd4. Já fiz bastante besteira na minha franja sim: já cortei torta, já cortei mais do que devia (e aí ela demooooora pra chegar no lugar), já cortei um pedaço do cabelo sem querer… enfim, a lista é longa. É por isso que eu digo, por experiência própria, que é melhor não cortar uma franja pela primeira vez nessa quarentena.

Além de tudo isso que falei até agora, há que se considerar mais um fator: em tempos sem precedentes como este que estamos vivendo, tempos tão difíceis e de tantas incertezas, é melhor não tomar nenhuma atitude radical. Se isso vale pra várias esferas da nossa vida, eu diria que vale, principalmente, para o nosso cabelo. Como eu já escrevi ali em cima, nosso cabelo tem um impacto direto na nossa autoimagem por ser a moldura do rosto. Imagina ficar sabe Deus mais quanto tempo sem sair de casa e encarando uma imagem no espelho que não te agrada, que diminui a sua autoestima, que não contribui positivamente para a sua saúde mental?

Se eu puder te dar um conselho, não corte sua franja em casa. Pense. Repense. Vai ler um livro, ver tv, colorir mandalas, qualquer coisa. Mas não corte sua franja em casa sem certeza absoluta que você está fazendo. Espere a quarentena passar e converse com um cabeleireiro da sua confiança ou, preferencialmente, com um consultor de imagem. Talvez a quarentena seja, inclusive, um bom momento para quem cortou a franja e não curtiu (porque, provavelmente, faz parte do grupo de pessoas que não nasceu pra usar franja) deixá-la crescer.

O exercício diário de vestir-se

Vestir-se é um exercício diário, que nos permite aprofundar o autoconhecimento e detectar traços da nossa personalidade que são externalizados nas peças que escolhemos usar. Esse exercício diário nos propõe criar, a partir do que temos no armário, os looks que reflitam muito mais do que tendências ou modismos, mas sim o nosso verdadeiro estilo.

Definir seu próprio estilo pode não ser tarefa simples, seja porque você se identifica com mais de um estilo universal ou mais de uma categoria de estilo contemporâneo, seja porque você precisa de uma ajudinha nessa caminhada (e ninguém melhor do que um personal stylist para te dar a mão nesse processo).

Um armário recheado pode ser uma faca de dois gumes na hora do exercício diário de vestir-se. Se você já se conhece muito bem e sabe exatamente quais estilos formam o seu próprio estilo, tudo ótimo, fica muito fácil se arrumar para qualquer ambiente ou ocasião. Mas se você ainda não consegue ter clareza do seu estilo individual, um armário abarrotado pode mais confundir do que ajudar.

Esse exercício diário de vestir-se se torna mais prazeroso quando a gente começa a questionar cada etapa do processo, começando pela busca do autoconhecimento: quem eu sou? Essa roupa mostra quem eu sou? O que essa roupa fala de mim? Como eu estou me sentindo hoje? Qual a mensagem que eu quero passar para o mundo?

No mundo globalizado em que vivemos, é claro que tendências e modismos sempre vão interferir na nossa maneira de pensar sobre as roupas que vestimos. Um olhar crítico para o nosso próprio armário faz parte desse exercício diário, que nos ajuda a nos vestir de acordo com o que somos de verdade. Roupas e acessórios são muito mais do que o que se veste, mas o que de fato demonstram as suas vivências e a sua personalidade da maneira mais adequada possível para o resto do mundo; isso é estilo.

Muito mais importante do que usar uma tendência, é analisar se ela combina com você ou não, se ela pode ser adequadamente incorporada ao seu dia a dia sem que você se torne uma caricatura do que está na moda (ou seja, sem que você se torne um fashion victim que consome desenfreadamente sem refletir).

O exercício diário de vestir-se requer, além do autoconhecimento, paciência e bom humor. Escolher no seu armário o que você vai vestir pode ser uma experiência completamente diferente se você começa pela escolha de uma calça ou se o seu ponto de partida é um cinto, por exemplo. Se a gente entende que óculos (escuros ou não) são muito mais do que lentes corretoras e/ou protetoras contra raios UV, podemos usar esse acessório para nos expressar. Quando a gente se veste, é bom perder um pouco o medo de ousar e permitir-se externar pro mundo quem nós somos de verdade aqui dentro.

Você não deve beleza a ninguém

Você não tem que ser bonito/bonita, porque você não deve beleza a ninguém.

Em um mundo onde cada vez mais há uma ditadura da beleza, você não deve beleza a ninguém.

Não é que você não deva ser bonito(a) ou não queira ser bonito(a). Você deve colocar o seu bem-estar em primeiro lugar, sempre. É divertido ser bonito(a), se arrumar pra ficar mais bonito(a), se sentir bonito(a). O legal é se olhar no espelho e sorrir com o que se vê.

É, acho que o legal mesmo é ser feliz com a imagem que se vê no espelho. É legal seguir o seu instinto ao se arrumar, não pensando exatamente em ficar bonito(a), mas para ficar mais feliz. É deixar que o seu interior fique refletido na imagem que o resto do mundo vê. É buscar a felicidade, e deixar que ela te faça uma pessoa mais bonita.

Análise cromática e a Coloração capilar

Ah, o cabelo. O drama de tantas mulheres, e também de alguns homens. A cor do cabelo é algo que nós não deveríamos copiar de ninguém, nem seguir modas ou tendências porque o segredo das cores mais adequadas e que mais valorizam nossa beleza está em nós mesmas! A análise cromática revela a nossa harmonia e contraste naturais de tons de pele, cabelos, sobrancelhas e olhos. É por isso que, na hora da mudança, não devemos nos espelhar em ninguém!

Já sabemos que, quanto mais fiéis somos à nossa cartela de cores, mais amenizamos os efeitos negativos das cores sobre nosso rosto e podemos até mesmo diminuir o uso da maquiagem sem nos arriscar a ouvir que estamos abatidas e/ou cansadas.

O cabelo é a moldura do nosso rosto, e isso que minha vó dizia (e provavelmente a sua também) é a mais pura verdade. Quando escolhemos as cores erradas para o cabelo e ignoramos a harmonia e contrastes naturais, caímos numa cilada! Com todo respeito aos profissionais cabeleireiros, muitos simplesmente assassinam a beleza de suas clientes ao tingir com cores frias cabelos que deveriam manter tons quentes, ou que sequer prestam atenção ao contraste.

A análise cromática ajuda muito a evitar esse tipo de erro e garantir que haja coerência no seu rosto. Na consultoria de estilo, devemos nos guiar sempre pelo rosto, pois é o nosso principal cartão de visitas; portanto, é importante valorizar o seu contraste para garantir a harmonia visual 24 horas por dia, 7 dias da semana.

Cabeleireiros, nada contra vocês, muito pelo contrário, sou admiradora do trabalho que realizam nos cabelos das mais diferentes texturas.  Mas, além de garantir a harmonia do rosto das clientes, é preciso que cabelos sejam pensados para a vida real: eu já perdi a conta de quantas vezes cortei meu cabelo e saí com ele belíssimo do salão só pra chegar em casa, lavá-lo e deixá-lo secar naturalmente (quem me acompanha no instagram sabe do ranço que eu tenho de secador!) pra ver que ficou absolutamente diferente do que eu queria e que só funcionaria mesmo arrumado daquele jeito (coisa que jamais fiz). Eu (ainda) não pinto o meu cabelo, então por experiência própria só posso falar dos cortes frustrantes que já fiz; mas, como consultora de estilo, posso avaliar estes erros de coloração e dar meus dois dedinhos de contribuição para que quem pinta o cabelo evite cair nestas ciladas.

A harmonia do seu rosto tem a ver com todas as suas características físicas. Por exemplo: uma pessoa muito alta provavelmente não ficaria bem com um cabelo chanel, do mesmo modo que uma pessoa muito baixa não ficaria bem com um cabelo ultra longo; uma pessoa de coloração fria e altamente contrastada (pele muito clara + olhos escuros + sobrancelha escura) dificilmente teria sua beleza natural valorizada por um cabelo ruivo Weasley, enquanto uma pessoa de coloração quente tem sua harmonia assassinada por cabelos platinados. Não significa que são cortes ou cores feios, mas é preciso avaliar individualmente qual corte funciona para as suas proporções e os seus traços e feições, se a coloração está compatível com a sua e, principalmente, avaliar se o todo (corte + cor) combina com a sua personalidade e com o seu estilo de vida.

Um cabelo que requer alta manutenção (babyliss, escova, etc) jamais funcionaria para mim porque eu simplesmente não tenho paciência. Acho que foi por isso que fiquei tão frustrada da última vez que cortei meu cabelo curtinho: ele só ficava bom com babyliss ou quando usava o secador para dar volume, e é óbvio que se eu me dei esse trabalho 3 vezes foi muito. Esse corte foi feito em outubro de 2016, e foi só em janeiro que eu comecei a gostar do corte, porque o cabelo já tinha crescido um pouco e harmonizava melhor com as minhas feições e estilo de vida.

Eu tenho a ligeira impressão de que erros de cortes são mais fáceis de contornar porque “cabelo cresce”, enquanto corrigir um erro de tintura pode agredir e comprometer a saúde do seu cabelo. É claro que esperar o cabelo crescer requer paciência (ou extensões dos fios), mas não compromete a saúde dos seus fios, e você não precisa ficar horas sentada numa cadeira de salão.

Se você pode fazer a análise cromática e pode ter a ajuda de um consultor de estilo na hora de mudar a cor dos cabelos, maravilha. Mas se você ainda não sabe sua cartela de cores, uma dica fácil para saber se um determinado tom de cabelo ou de reflexos fica bom para você é observar os outros fatores que determinam o seu contraste em relação ao seu tom de pele: as cores dos seus olhos e suas sobrancelhas. O contraste é a única parte da análise cromática que pode ser identificada imediatamente, sem uso de material ou luz especial, e que pode mudar longo da vida, porque depende das mudanças capilares, do bronzeamento e de outras intervenções.

Já falei por aqui, mas não custa lembrar: o contraste é a diferença entre cor do cabelo, sobrancelha e olhos em relação ao tom da pele. O contraste é alto quando essa diferença é muito grande; o contraste é baixo quando essa diferença é pequena ou nenhuma; além disso, existe também o contraste médio. Pensando em mudar a cor do cabelo, restam os outros três fatores a serem analisados, levando-se em consideração se você é uma pessoa que se bronzeia muito e/ou com facilidade (porque aí seu tom de pele muda com alguma frequência e pode influenciar no seu contraste) e aí você pode ter um direcionamento para qual tom de cabelo favorecerá mais a sua beleza natural!

Final de ano é uma boa hora para reconciliar-se consigo mesmo

Final de ano, verão no Brasil, aquele calorão, todo mundo querendo aproveitar as belas praias. Por aqui, eu tô só no frio, mas acompanhando pela internet as altíssimas temperaturas brasileiras! Mas, em qualquer lugar do mundo, muita gente costuma aproveitar este período para rever o que aconteceu de bom e de ruim, e estabelecer suas metas e objetivos para o novo ano.

metas & objetivos para o ano novo

No verão, o natural é que as roupas diminuam para deixar mais pele à mostra, mas tem muita gente que sofre com essas questões porque vivemos uma cultura de construção de imagens que privilegia a “boa forma”, com incontáveis formas de emagrecimento e alternativas para que alcancemos o “corpo perfeito”.

As mulheres, naturalmente, são as que mais sofrem com estas imposições de buscar uma perfeição corporal inexistente. Quanto mais perto do verão, mais aumenta a pressão para alcançar o “corpo do verão”: barriga zerada, celulite zero, bumbum durinho, braço magrinho, pernas definidas (se esqueci de alguma parte do corpo, complete nos comentários!). Com isso, progressivamente deixamos de amar a nós mesmas e passamos muito tempo da nossa vida brigando com nossos corpos.

“A aparência do corpo exerce grande influência em nossas vidas, afinal, a forma como nos apresentamos para os outros determina a maneira como nos relacionamos, as oportunidades que temos socialmente, as reações e atitudes dos outros para conosco, bem como nossa vida afetiva e profissional”

(Stenzel IN Nunes e Appolinario, Transtornos Alimentares e Obesidade, Artmed, 2006).

Os padrões de beleza impostos pela nossa sociedade e a consequente escravização a que nos sujeitamos tem sido um dos principais fatores associados ao aumento da incidência de transtornos alimentares como a anorexia e a bulimia. E podemos afirmar, com segurança, que as redes sociais tem contribuído muito para este movimento. Se, antigamente, éramos influenciados apenas pela televisão e pelas celebridades que estampavam as revistas, hoje vemos “corpos perfeitos” e “vidas perfeitas” nas telas dos nossos celulares.

Nas redes sociais, seguimos perfis de homens e mulheres com corpos esculturais e uma beleza dentro do “padrão” que, em geral, aproveitam para vender os segredos para que todos nos tornemos belos dentro destes mesmos padrões. O desejo da padronização torna a sociedade cada vez mais frustrada e doente, porque simplesmente não conseguimos alcançar aquela imagem. E aí nos torturamos porque comemos uma sobremesa, jantamos uma massa e tomamos um vinho.

Quem me segue no instagram viu nos meus stories semana passada um alerta sobre esse tipo de cobrança que nos fazemos, e que muitos influenciadores acabam postando em seus perfis. Se você ainda não viu, estes vídeos estão salvos nos meus destaques. Essa minha reflexão foi desencadeada por ter ouvido uma pessoa que eu sigo dizer que foi “um horror” jantar massa, tomar vinho e comer um tiramisù de sobremesa. Foi aí que eu propus a reflexão de que comida nunca é um horror, mas é sempre um privilégio. Nós vivemos num mundo com tanta gente passando fome! Não podemos nos dar ao luxo de achar nenhuma comida um horror.

A nossa relação com a comida está diretamente relacionada ao modo como enxergamos nosso corpo. Toda vez que comemos algo que foge do que é saudável, nos condenamos, e a nossa insatisfação com nosso corpo parece aumentar progressivamente. Chegamos ao ponto de nos perguntar, por exemplo, quanto tempo precisamos andar/correr na esteira para poder comer um hambúrguer.  Nossa insatisfação com nosso corpo influencia a maneira como os outros nos vêem: se estamos felizes e satisfeitos com as pessoas que somos, naturalmente teremos uma imagem mais leve e transmitiremos segurança, e os outros vão nos perceber também desta maneira. Estamos constantemente oscilando entre o olhar ruim que nos destrói, e o olhar bom, que nos constrói. Isso tudo tem um enorme peso, também, na construção da nossa imagem e estilo pessoal.

“Por uma internet mais verdadeira
Com menos maquiagem 
Com mais comida de verdade
Com menos culpa
Com mais amor próprio 
Com menos padrões inatingíveis 
Com mais empatia e muito mais sorrisos sinceros”

Cada corpo tem sua potencialidade, e reflete todas as experiências que vivemos. Não podemos querer vestir um corpo que não temos, mas podemos vestir da melhor maneira possível o corpo que nós temos e amamos. Não precisamos responder a um padrão imposto para que nossos corpos sejam os melhores possíveis: o melhor possível não pode ser o que a mídia ou as redes sociais impõem, mas o que nos deixa verdadeiramente felizes.

Olhar para si mesmo com carinho é o primeiro passo para reconciliar-se consigo mesmo, ganhar auto-confiança e construir o seu estilo verdadeiro. É importante identificar quem eu realmente sou, e não aquilo que eu acho que o outro pensa sobre mim. É importante olhar no espelho e amar cada pedacinho do que somos, cada marca individual que temos, pois isso nos torna únicos. A construção de uma boa auto-estima não é um caminho fácil ou rápido de se percorrer, mas é importante darmos o primeiro passo.

No final de cada ano, muita gente costuma estabelecer metas e objetivos para o ano que vai começar. Eu proponho que você comece hoje mesmo a realizar a importante meta de reconciliar-se consigo, amando quem você é por inteiro.

Pra vestir e amar o corpo que se tem

Já conversamos muito por aqui sobre as maneiras como a consultoria de imagem pode nos empoderar e garantir um olhar mais gentil com aquela pessoa que nos observa no espelho, e a importância de termos a autoestima bem trabalhada, mas esse é um assunto inesgotável e, por mais que eu tente a cada dia melhorar a minha autoimagem, sempre há o que superar.

Estamos de férias no Brasil e passamos alguns dias em Brasília, e nos hospedamos no Brasília Palace Hotel. Estava um calor de matar e a piscina do hotel era convidativa. Mas e a coragem de colocar o corpo pra jogo, principalmente depois da comilança intensa desde o dia que cheguei ao Brasil?

Em pouco mais de 2 semanas em terras brasilis, eu acho que já engordei uns 3 quilos. Estou me permitindo comer tudo o que eu amo e sinto falta quando estamos na Armênia. Minha barriga está demonstrando isso pra quem quiser ver. Mas eu vesti o maiô e fui pra piscina mesmo assim, sem vergonha nem medo de aproveitar o sol.

E não foi só isso: eu tirei fotos de maiô relaxando à beira da piscina, e ainda tive coragem de postar no Instagram. Sim, coragem. Porque é claro que é preciso coragem pra expor a celulite, a pança proeminente, o bracinho gorducho e as pernas roliças na rede social sem nenhum retoque.

Mas a coragem maior é a aceitação diária do corpo que se tem, e amar incondicionalmente a pele onde se habita. Quanto mais eu respeito o meu corpo e me visto de acordo com as minhas medidas e proporções, mais autêntica é a imagem que eu transmito pro mundo, e mais confiança eu sinto. Da próxima vez que você for se vestir e se olhar no espelho, que tal tentar isso também?

Roupas não-óbvias para trabalhar

Escolher os looks para trabalhar nem sempre é uma tarefa fácil. Na verdade, pode ser bem mais difícil escolher e construir um armário de trabalho do que o seu armário de roupas casuais, dependendo do seu estilo! E é aí que o consultor de imagem pode ajudar – e muito -, traduzindo o seu estilo pessoal para o seu armário de roupas de trabalho, encontrando, junto com você, um jeito de traduzir a sua personalidade para os looks do seu dia a dia profissional. Eu sou fã da alfaiataria da Zara (excelente custo/benefício), e escolhi algumas peças/looks que podem ser encontradas nas lojas para ilustrar esse post.

super formal X formal X informal
super formal X formal X informal: qual é o seu ambiente de trabalho?

Cada ambiente de trabalho requer um código de vestimenta; entretanto, independentemente do código de vestimenta do ambiente onde você trabalha, a roupa de trabalho tem características próprias, que devem evidenciar, ao mesmo tempo e de modo coerente, a sua personalidade e o lugar onde você trabalha. Seja num ambiente de trabalho super formal ou super informal, eu recomendaria sempre fugir de peças muito sensuais, dedinhos de fora, decotes profundos e jeans rasgados. Num mundo cada vez mais conectado e interligado, nós nunca sabemos quando vai surgir uma reunião super importante no meio do dia, que pode até mesmo ser com alguém de um outro universo de trabalho – e você certamente quer que sua imagem seja sempre o mais profissional possível.

Se o seu trabalho é super formal, será bem difícil que os homens consigam fugir do terno e que as mulheres tenham muitas alternativas ao tailleur – afinal, nestes ambientes muito formais, o que se espera é uma aparência mais convencional e séria, traduzindo eficiência e inspirando segurança. Neste caso, já que é praticamente impossível fugir da alfaiataria, de cores mais neutras, das saias na altura do joelho, de decotes mais fechados, e das calças confortáveis e não tão justas, é ainda mais importante prestar atenção na etiqueta de composição das peças, priorizando sempre tecidos de fibra natural, que esquentam menos e deixam a pele respirar com maior facilidade, ou a viscose, e evitando ao máximo o poliéster, o nylon e o acrílico.

Acho que é mesmo nos ambientes mais formais de trabalho que os tecidos e texturas diferentes ganham mais importância, pois poderão adicionar personalidade ao seu look e fazer com que o seu armário diário passe longe da chatice! Tailleurs de linho usados com uma bela camiseta de seda podem ser uma ótima solução para dias muito quentes, ao passo que um tailleur de veludo cotelê será quentinho o suficiente pro inverno e nada óbvio, com uma bela camisa de algodão. É possível incorporar as tendências nesse armário ultra formal: o xadrez (principalmente o Príncipe de Gales) está (e ainda continuará por mais um bom tempo) SUPER em alta. Estampas muito tradicionais podem ser facilmente adotadas nestes ambientes formais de trabalho sem chamar muita atenção.

Se o seu ambiente de trabalho é um pouco menos formal (o que não significa mostrar a barriga, usar saias muito curtas ou muito justas), você tem um pouco mais de espaço de manobra pra se vestir. As cores já começam a ter um pouco mais de chance, e estampas clássicas podem fazer parte do seu look. Neste ambiente de trabalho, o comprimento midi (que é um comprimento da moda) pode ser usado: saias midi ficam ótimas com sapatilhas e, se for rodadinha, não vai grudar no corpo. Eu adoro usar saia midi com t-shirt de algodão no verão: fica bem fresquinho e “arrumadinha sem esforço”, sabe? E dá espaço pra colocar um colar mais comprido (efeito alongador da silhueta!) sem deixar o visual com informações demais. Um look de saia midi com camisa também fica muito chique. Já no inverno, acho que as saias um pouco acima do joelho, em tweed, combinadas com seus blazers, também tem vez – principalmente se usadas com meia calça preta.

Mas se o seu ambiente de trabalho é super informal (por exemplo, no meio artístico ou criativo), o código de vestimento é o mais desencanado, ousado e criativo possível – o que não significa vulgar. Então, mesmo nesses ambientes bem informais, é bom ficar longe de looks que você usaria numa noitada, que sejam muito sensuais, ou que você usaria na academia. Pra quem trabalha nessas áreas criativas, eu recomendaria abusar das estampas e peças em jacquard, e aproveitar pra usar acessórios mais chamativos, mas buscando sempre uma coerência no look – afinal, você não sabe com quem vai encontrar e se relacionar ao longo do dia!

Quanto aos sapatos, o styling dessas fotos não ajudou muito… mas pensemos em scarpins ou sapatilhas sem decotes muito evidentes. Botas baixas ou com salto médio, sem muitos detalhes e/ou ferragens exóticas, também tem sua vez. Em geral, os sapatos que circulam nos ambientes de trabalho não devem ter saltos muito altos nem finos.

E, ao pensarmos no universo das bolsas, livre-se do compromisso de combinar bolsa com o sapato – essa dobradinha não tem mais nada a ver! A bolsa e o sapato devem conversar, mas não precisam ser iguais, da mesma cor ou material.

O armário de trabalho não deve ser muito conservador, já que poderia passar uma imagem de desatualizado, mas também não deve adotar todas as últimas tendências da moda porque, nesse caso, a imagem transmitida pode ser de futilidade. Como sempre, o ideal é ter equilíbrio!

Quebrando a rotina (também) do seu estilo

Muita gente se sente preso numa rotina, e não aproveita as ferramentas de estilo para quebrar as correntes e se libertar. Acredite: não é porque você está se sentindo assim agora que se sentirá assim pra sempre. É por isso que decidi listar algumas sugestões de estilo pra sair da rotina!

Untitled design

1- Faça exercícios físicos

Eu não sou o maior exemplo de vida fitness que você vai encontrar por aí – na verdade, eu tô mais pro oposto disso – e parece até uma piada que eu fale disso antes de qualquer outra coisa. Mas a verdade é que exercitar o corpo é um dos melhores jeitos de mudar o jeito como você se sente e se enxerga! Encontre uma atividade física da qual você goste e mexa-se, nem que seja por 15 minutos. Isso é uma maneira eficaz de refrescar suas ideias e ajudar a fazer com que você enxergue as coisas de uma nova perspectiva – inclusive suas roupas.

2- Desconecte-se um pouco

Ah, o mundo conectado. Que faca de dois gumes! O instagram, por exemplo, é um dos melhores lugares para encontrar inspirações de moda, mas pode ser tóxico se você não estiver se sentindo confortável com seu estilo e confiante com suas escolhas. Pra verdade, eu acho que a rede pode ser um verdadeiro campo minado se você estiver muito incerto sobre o seu estilo: nas redes sociais, você acaba se perdendo por muitas direções e nem sabe mais ao certo do que você realmente gosta. Nessas horas, uma boa ideia é ser old school: compre uma revista e tome um café folheando as páginas. Há publicações excelentes de moda disponíveis que podem render grandes inspirações de uma maneira menos opressiva e que pode te dar uma ideia mais clara das tendências da estação disponíveis nas lojas.

2

3- Organize seu armário (ou faça um closet editing com um profissional)

Se você acha que está usando as mesmas roupas todos os dias, é melhor recuar e reavaliar as peças que estão habitando no seu armário. Há grandes chances de que você esteja escolhendo as mesmas coisas porque são mais convenientes e fáceis! Ao reorganizar as peças do seu armário, não tenha pena de se desfazer das peças de que você não gosta ou simplesmente não usa. Se você mora em um lugar onde as estações do ano são bem definidas, tente guardar o que não é da estação num outro lugar, desocupando espaço e diminuindo a quantidade de informações na hora de se vestir. Dedique um tempo para avaliar tudo o que você tem, e pense nos diferentes jeitos de usar as coisas de que você gosta. Repensar as roupas que você já tem no armário certamente rende novos looks. Já comentei por aqui algumas vezes que o personal stylist tem um papel importante na edição e organização do armário porque, somando seu conhecimento profissional à isenção de sentimentalismos, poderá opinar e sugerir honestamente o que deve ficar e o que deve sair do seu armário, ainda que a decisão final seja sempre sua.

4- Tente evitar o jeans

Aqui, o ditado “casa de ferreiro, espeto de pau” faz todo sentido: afinal de contas, eu passei ANOS da minha vida usando calças jeans todos os dias. Sim, eu amo jeans, e é difícil viver sem eles, mas confesso que, nos últimos tempos, tenho procurado várias alternativas igualmente confortáveis (e, no inverno, muito mais quentinhas) ao bom e velho jeans. Para altas temperaturas, as calças de linho são muito mais elegantes e talvez até mais confortáveis. Para temperaturas frescas, meias calças pretas. Para o frio intenso, calças de lã. É uma questão de pensar fora da caixinha e encontrar alternativas que vão nos tirar da rotina e nos colocar numa direção mais divertida.

5- Atualize seu jeans

Isto posto, já concordamos que é difícil viver sem jeans e uma maneira interessante de mantê-los como bons atores do seu armário é atualizá-los. São muitos os modelos disponíveis (skinny, boot cut, reta, flare, boyfriend, mom, etc) e muitas lavagens diferentes para escolher. A simples mudança do corte do jeans que você está usando pode transformar o jeito como você se sente nas suas roupas. É claro que há um tipo ideal de jeans pra cada tipo físico, mas por aqui nós já estamos desconstruindo um pouco essas ideias de tipo físico e priorizando a alegria e a criatividade na hora de se vestir. Se você for comprar um novo par de calças jeans pra 2018, eu recomendaria evitar as calças skinny (que já viraram substantivo comum) e optar por modelos de cintura mais alta com pernas mais amplas, ou retas e ligeiramente cropped. O importante é que a sua calça jeans não achate o seu bumbum, não aperte a sua cintura e, principalmente, que não seja desconfortável.

6- Invista na terceira peça

A tal “terceira peça” é milagrosa, e o milagre já começa porque ela pode ser um cardigan, uma jaqueta, um casaco, um trench coat, um lenço, um cachecol, um colete, uma capa de chuva (tendência que tá firme desde o ano passado e mais forte ainda pro inverno/2018 no Brasil), e mais uma infinidade de peças. Se você morar num lugar onde o inverno é real, investir em bons casacos e cachecóis é fundamental: e, sim, eu usei o plural porque vai ser mais fácil sair da rotina no quesito estilo se você tiver pelo menos 2 opções entre as quais escolher. E nada de preto: pense em cores! Se você souber qual a sua cartela de cores, melhor ainda, já que poderá escolher os tons de cores que mais favorecem o seu rosto. Se você mora “num país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza”, a terceira peça ainda pode (e deve) existir no seu dia a dia, mesmo nos dias mais quentes: lenços de seda são frescos de usar e atualizam o look, enquanto capas de chuva protegem e incrementam o seu visual.

7- Preste atenção aos detalhes e use mais acessórios

Até os 7 anos de idade, eu não tinha as orelhas furadas. Mas, desde então, eu não saio de casa sem meus brincos! Aliás, eu nem costumo tirar os brincos pra dormir, já que eles são pequenos e não me incomodam. Isso é um exemplo de detalhe que faz a diferença, tanto quanto a bainha no tamanho certo. Usar acessórios é uma chave para levar seu estilo para outros níveis. Cintos mais largos costumam dar personalidade, e mudar de bolsa ajuda muito para mudar o visual e injetar confiança. Chapéus, óculos escuros, ou mesmo um broche com história podem tornar uma roupa sem graça num look digno de capa de revista!

8- Evite preto e cinza

Outro item meio “casa de ferreiro, espeto de pau”, mas que eu tô me esforçando pra mudar. Se ali em cima eu já falei sobre evitar o preto na terceira peça, agora é hora de reforçar a importância de dar um descanso para essa cor, e também para os tons de cinza. Quando estamos presos numa rotina, geralmente isso se traduz no nosso armário como uma pilha de roupas cinzas e pretas – afinal, estas são as cores que nos cativam quando não estamos muito inspirados e queremos alguma segurança. Mas estas cores também nos fecham um pouco e podem até prejudicar nossa produtividade. Ao evitar o preto e o cinza, você olhará para as outras cores; isso não significa que você vai se vestir de mil cores da cabeça aos pés, ou começar a usar estampas chamativas da noite pro dia. O importante é você sair um pouquinho da sua zona de conforto. E, ao usar uma cor que favoreça as suas feições, você se sentirá mais confiante e ainda ouvirá alguns (muitos) elogios.

9- Vá numa loja onde você geralmente não compra

Todos nós temos as nossas lojas favoritas, e sempre tendemos a fazer nossas compras nessas mesmas lojas. Ao mesmo tempo em que ter lojas favoritas revelam um traço firme das nossas preferências, frequentar sempre as mesmas lojas pode transformar o nosso armário num loop eterno de peças iguais. Explorar uma loja nova, onde você geralmente não compra, pode abrir um mundo de possibilidades de formas e cores! Misturando diferentes marcas e designers, criamos um estilo único ao invés de reproduzir o que está num lookbook e expressamos, de fato, a nossa personalidade. Ao se desafiar a usar algo diferente e, possivelmente, fora da sua zona de conforto, você vai se divertir muito e terá a possibilidade de descobrir novas versões de si mesmo.

1

10- Mude o seu corte de cabelo

Embora essa dica também seja válida para os homens, esse item é direcionado principalmente para as mulheres. Se tem uma coisa que eu não entendo é o apego da mulher brasileira ao comprimento do cabelo, enquanto não tem medo nenhum de pintar os fios! Se 99% das vezes as brasileiras pintam o cabelo com um loiro que muito provavelmente está no tom errado para a pele, a síndrome de Rapunzel impede que exploremos plenamente nosso potencial de beleza! Cortar o cabelo pode ser revolucionário em tantos aspectos! Além de ter a possibilidade de criar um visual no qual você se reconheça plenamente, um corte de cabelo novo pode ser muito empoderador. Para as mamães de plantão, acho muito recomendável diminuir o comprimento dos fios para ganhar agilidade e praticidade no dia a dia (afinal, ninguém merece ficar de cabelo preso o dia inteiro). E, o que vale pra todas, é que cabelo curto dá menos trabalho, demora menos pra secar e a gente fica muito mais chique. Da minha experiência pessoal, posso contar que cortei meu cabelo bem curtinho 2 vezes num período de menos de 2 anos, doando mais de 20cm de cabelo em cada corte pra instituições que fazem perucas pra mulheres e crianças que perderam os cabelos no tratamento contra o câncer, e eu me sentia tão poderosa! Cortes de cabelo são transformadores, meninas. Acreditem em mim.

 

Sobre autoestima feminina

Feliz dia internacional da mulher! Aqui na Armênia o dia 8 de março é feriado: isso é um legado do período Soviético já que, em 1917, foi instituído o feriado nacional em comemoração às mulheres. A data foi celebrada predominantemente pelo movimento socialista e pelos países comunistas, até que a Organização das Nações Unidas adotou a comemoração em 1975. Hoje é um dia para celebrarmos nossas conquistas individuais e coletivas, e também para refletirmos sobre o quanto ainda precisamos avançar nas nossas lutas pelos nossos direitos.

Captura de Tela 2018-03-08 às 16.00.56
foto: @emmawatson

Acho que todas podemos concordar que uma das maiores lutas pra qualquer mulher é contra o espelho: nós temos dificuldade de reconhecer a nossa beleza e a nossa força, e a nossa autoestima costuma ficar bem abaixo do nível do mar. Em determinadas conjunturas, os resultados acumulados na nossa vida não são positivos porque nos enxergamos de uma forma muito negativa. Quando nos enxergamos por uma ótica negativa, é impossível crescer e estimular nossos talentos corretamente; ainda que sem perceber, quem se enxerga com olhos depreciativos acaba revogando um número infinito de possibilidades, afastando inúmeras conquistas e vitórias que poderiam ser escritas na sua história.

A autoestima é o resultado final de um conjunto de percepções que a pessoa tem de si, abrangendo a forma de pensar, agir e sentir, que podem ser negativas ou positivas, oscilando de acordo com o que vivemos. Se não conseguimos perceber que somos merecedoras de coisas boas, que somos capazes e que as nossas habilidades podem nos levar aonde quisermos chegar, tendemos a nos enxergar e compreender o nosso eu de forma depreciativa e até mesmo desrespeitosa; o resultado pode ser a propagação de uma forma amarga e insegura de se viver e se perceber. Nessas circunstâncias, a mulher pode desenvolver um quadro de auto rejeição em que ela não aceita a si mesma, vivendo em busca da aprovação e do elogio dos outros para poder se sentir bem.

Há coisas que precisamos desenvolver dentro de nós, que não podem ser conquistadas por elogios ou aprovação alheia. A reconstrução da nossa autoimagem deve partir do nosso eu, resgatando a verdade das nossas virtudes e belezas, com um olhar gentil e carinhoso pra nós mesmas, e jamais depender das vozes distorcidas que ouvimos ou dos traumas que nos marcaram.

Infelizmente, muitas mulheres alimentam uma autoimagem distorcida, em que a autodesvalorização nos impede de olhar com gentileza pra nós mesmas. É verdade que todo ser humano tem defeitos e falhas, mas não é isso que nos define. A mulher poderá trazer o seu melhor à tona, emanando a luz que vem de dentro de nós, depois de passar por um trajeto de cura: nesse trajeto, transformamos o significado que damos às experiências que nos impediam de enxergar a nossa beleza, a nossa capacidade de amar e de concretizar nossos sonhos. Nós somos poderosas, e um dos jeitos de impulsionar a nossa autoestima é trabalhando com o real e o imaginário, aproximando, tanto quanto for possível, o nosso ideal do que é factível.

Algumas perguntas objetivas podem nos ajudar a refletir e converter o ideal em real, e as respostas nos ajudam a construir nossa autoestima de maneira positiva. Por exemplo: Você sabe o que a faz feliz? Quais são as suas metas para esse ano? Quais são os seus projetos de vida? O que me faz me sentir realizada? No que eu gasto a maior parte do meu tempo?

Muitas vezes, passamos grande parte do nosso tempo cumprindo atividades que não nos proporcionam prazer nem realização. Mas é importante que nossas atividades diárias nos tragam felicidade, mesmo que seja nas menores coisas: ao sabermos o que nos faz felizes e realizadas, podemos investir mais tempo nisso e nos sentirmos satisfeitas com nossas escolhas, passando a nos enxergar como uma mulher que sabe pra qual direção a vida está indo, dona do seu destino.

Nós somos fortes, bonitas, poderosas e audaciosas, e nós temos o direito a esse autorreconhecimento. A coragem em reconhecer as nossas qualidades nos torna ainda mais capazes de transformarmos nossos sonhos em objetivos, e os objetivos em realidades. Nossa independência e liberdade só depende de nós mesmas. A audácia nos leva longe.