Midi, o comprimento mais chique

Que me perdoem os curtos e os longos, mas o midi é o comprimento mais chique para os nossos looks! Se o tecido tiver um belo caimento, o visual sofisticado está garantido, mesmo que façamos escolhas simples e práticas! Quer ver?

img_1775
chapéu Parfois, t-shirt Zara, óculos Ray Ban, saia Forever 21, tênis Converse All Star (e mochila Fjällräven Kånken)

No último final de semana, fizemos uma road trip até Tbilisi, a capital da Geórgia. Mais do que aplicar os conceitos da mala inteligente, eu realmente não queria levar muita coisa pra um final de semana rapidinho de verão! Então advinha qual foi a peça chave que eu escolhi? Isso mesmo, uma saia midi!!

Essa saia midi azul marinho da Forever 21, que eu comprei há uns 3 anos, tem a cintura de elástico (= conforto!) e umas pregas bem suaves, que garantem o caimento perfeito do tricoline. E ela tem bolsos, que são sempre bem vindos em viagens!

img_1751
chapéu Parfois, óculos Ray Ban, t-shirt Alhma, bolsa Gucci, saia Forever 21, sandália Usaflex

Nessa outra foto, a mesma saia (e o mesmo chapéu) com outra t-shirt e outro sapato, num combo escolhido pra ficar super confortável no carro (a viagem entre Yerevan e Tbilisi dura cerca de 5h!!) e que ficou bastante adequado pra paradinha que fizemos no Lago Sevan.

 “Ah, mas midi é um comprimento ingrato! Nem todo mundo pode usar!”

Gentes, eu tenho 1,62m – ou seja, não sou exatamente alta! – e adoro usar saia midi! E minhas pernocas são bem roliças também. O comprimento midi definitivamente faz parte da minha vida, e se encaixa perfeitamente no meu estilo e no meu dia a dia. Para escolher o midi correto pra você, aqui estão algumas dicas interessantes, que independem do seu tipo físico:

  • escolha um comprimento que fique ligeiramente acima da metade da sua panturrilha;
  • opte por um tecido leve e com caimento perfeito, que não adicionará muito peso ao seu look. Nesse caso, é melhor evitar malhas! As malhas costumam ser mais pesadas e marcar tudo o que (geralmente) queremos esconder;
  • marque a sua cintura! Mesmo se você pensar que não tem uma cintura, ela existe, e está só esperando ser descoberta;
  • e escolha uma silhueta A, que costuma ficar bem em todo mundo e cria uma silhueta perfeita com muita elegância.

Ao escolher uma saia ou um vestido midi, você garante uma certa elegância sem precisar de muito esforço. O comprimento midi chama a atenção positivamente, mesmo sem muitos acessórios! É como se fosse um atalho para um look chique!

Pra vestir e amar o corpo que se tem

Já conversamos muito por aqui sobre as maneiras como a consultoria de imagem pode nos empoderar e garantir um olhar mais gentil com aquela pessoa que nos observa no espelho, e a importância de termos a autoestima bem trabalhada, mas esse é um assunto inesgotável e, por mais que eu tente a cada dia melhorar a minha autoimagem, sempre há o que superar.

Estamos de férias no Brasil e passamos alguns dias em Brasília, e nos hospedamos no Brasília Palace Hotel. Estava um calor de matar e a piscina do hotel era convidativa. Mas e a coragem de colocar o corpo pra jogo, principalmente depois da comilança intensa desde o dia que cheguei ao Brasil?

Em pouco mais de 2 semanas em terras brasilis, eu acho que já engordei uns 3 quilos. Estou me permitindo comer tudo o que eu amo e sinto falta quando estamos na Armênia. Minha barriga está demonstrando isso pra quem quiser ver. Mas eu vesti o maiô e fui pra piscina mesmo assim, sem vergonha nem medo de aproveitar o sol.

E não foi só isso: eu tirei fotos de maiô relaxando à beira da piscina, e ainda tive coragem de postar no Instagram. Sim, coragem. Porque é claro que é preciso coragem pra expor a celulite, a pança proeminente, o bracinho gorducho e as pernas roliças na rede social sem nenhum retoque.

Mas a coragem maior é a aceitação diária do corpo que se tem, e amar incondicionalmente a pele onde se habita. Quanto mais eu respeito o meu corpo e me visto de acordo com as minhas medidas e proporções, mais autêntica é a imagem que eu transmito pro mundo, e mais confiança eu sinto. Da próxima vez que você for se vestir e se olhar no espelho, que tal tentar isso também?

Fantasias de Carnaval

Quem aí gosta de carnaval? Eu amo! Sempre adorei carnaval, desde pequenininha! É claro que as maneiras de curtir o carnaval foram mudando ao longo dos anos – quando era criança, me esbaldava nas matinês! – mas uma coisa não mudou: minha paixão pelos desfiles das escolas de samba!

Algumas cidades já estão tomadas pelos bloquinhos, e as escolas de samba já tomam as ruas com seus últimos ensaios. E, em meio à tanta folia, há muitas possibilidades para brincar o carnaval cheia de estilo!

Já faz alguns anos que algumas marcas cariocas têm investido pesado em coleções de carnaval com fantasias lindíssimas. Por 2 anos consecutivos, recorri à Farm para me vestir de foliã e fui fantasiada pra Sapucaí! Infelizmente passarei mais um ano longe da Avenida, mas não deixei de bisbilhotar as coleções carnavalescas e eleger minhas fantasias favoritas – o que foi bem difícil, já que TODAS pareceram atender a um padrão que não agrada muito meu gosto pessoal!

A Farm mais uma vez caprichou na coleção de carnaval e fez fantasias lindas – embora muito curtas e/ou cavadas pro meu gosto pessoal.  Além de apostar pesado nos bodies, há muito tule e transparência, que eu pessoalmente tenho dificuldade de usar. Eu até poderia dar a desculpa de que estou ficando velha, mas a verdade é que desde criança eu não me sinto confortável com roupas que deixam muito à mostra! Lembro que, no carnaval de 1999, eu usei uma fantasia à la É o Tchan no Hawaii e fiquei SUPER incomodada por que era um biquíni! E isso foi há 19 anos atrás #velha

Captura de Tela 2018-01-29 às 18.19.47

Mas esta foi a minha fantasia favorita da coleção de carnaval 2018 da Farm! Amei a simplicidade e o frescor da jardineira, o chapéu fundamental pra proteger do sol e, principalmente, porque foi a única fantasia que não deixou o bumbum em evidência. Eu entendo que o body, o tule e tudo mais façam parte e sentido quando pensamos no empoderamento feminino que nossa sociedade tem vivenciado, mas, particularmente, eu escolheria essa fantasia um pouquinho mais vestida porque é mais do meu jeitinho. Além disso, acho que daria pra reaproveitar a jardineira jeans pros looks de verão!!

A Dress To também criou sua coleção de carnaval e o investimento também ficou para os muitos bodies! Essa fantasia de sereia roubou meu coração! Imagina com uma saia longa branca, bem leve? Ficaria chique até pra um baile de carnaval mais classudo!!

Mas a minha fantasia favorita da Dress To foi, sem a menor dúvida, essa Carmen Miranda bem fresquinha, com uma saia tão fofa que daria até pra usar depois do carnaval.

26910653_2035843613108884_8504625058266369701_o

Se no RJ eu estivesse, acho que reciclaria minhas fantasias de borboleta e melindrosa! E também recorreria ao truque maravilhoso de usar algum adereço na cabeça pra dar aquela cara de foliã a uma roupa comum, como um conjuntinho de short e/ou saia + camiseta.

Acima, alguns cliques meus na Sapucaí ao longo de 3 anos: teve fantasia de borboleta no carro alegórico da Alegria da Zona Sul, teve saia de plumas + adereço de flores na cabeça, teve top de paetê com mais de 20 anos de história, teve melindrosa e teve blusa de soldadinha reaproveitando a cabeça de baiana!

O importante mesmo é curtir bastante o carnaval, seja nos blocos, nas matinês, nos bailes classudos ou na Sapucaí! E, lembrem-se: depois do NÃO, tudo é assédio! Se, por acaso, vocês virem alguém numa situação de assédio, mesmo que de longe, finge que é sua prima, ou sua amiga, e já chega no “ai menina quanto tempo!!” – afinal, todo mundo sabe que é horrível passar por essas situações, e #mexeucomumamexeucomtodas!

Análise cromática: o que é e pra que serve?

Quando eu fiz meu curso de formação na London College of Style, tive a maravilhosa oportunidade de aprender sobre as cores e como fazer a análise cromática com Jules Standish, autora de 2 livros e referência no assunto. Com ela, aprendi o método chamado Colourflair system of image consultancy, que foca na genética e na personalidade de cada indivíduo para descobrir quais são os tons e as cores que mais valorizam cada pessoa.

Durante uma consultoria de estilo e análise cromática, é preciso avaliar a pele do rosto com o mesmo cuidado que um cirurgião e/ou dermatologista teria para melhorar a aparência individual: a escolha correta das cores para cada tom de pele pode rejuvenescer instantaneamente, e o objetivo é garantir que a sua aparência e os seus traços sejam o mais saudáveis e atraentes quanto possível!

As paletas de cores são divididas em 4 estações (primavera, verão, outono e inverno), e cada uma destas 4 estações tem 3 subdivisões: primavera leve, primavera clara, primavera quente, inverno profundo, inverno claro, inverno frio, outono profundo, outono suave, outono quente, verão leve, verão suave, verão frio. Por ser altamente complexa, a única maneira de descobrir a cartela de cores de uma pessoa é por meio de uma análise cromática presencial!

roda de cores

Como eu falei no primeiro parágrafo, não é só a genética que importa na análise cromática: a personalidade também é um fator muito importante. A análise cromática tem uma relação intensa com a psicologia e é importante considerar as características psicológicas de cada indivíduo quando se está analisando a cartela de cores pessoal. Sociabilidade, humor, entusiasmo, curiosidade, teimosia, lealdade, criatividade, otimismo, perfeccionismo, disciplina e autoconfiança são algumas das características psicológicas que precisam ser avaliadas para ajudar na definição da cartela de cores de um indivíduo.

psicologia das cores

A cartela de cores só é realmente importante nas áreas próximas ao rosto, então é importante observá-la quando estiver escolhendo maquiagem, cabelo, acessórios (gorro e cachecóis podem fazer toda a diferença!), blusa, camisa e vestido. Com exceção do branco e do preto, as cartelas de cada estação tem pelo menos algum tom de cada cor. Ninguém precisa amar todas as cores que estão na sua cartela: afinal, você não é obrigado a usar todas elas! Aliás, dependendo do seu contraste, o ideal será evitar algumas destas cores perto do seu rosto. No mais, as restrições podem ser contornadas: quem tem tom de pele quente, por exemplo, deve evitar preto preto do rosto, ou então  “errar com consciência”, buscando amenizar os efeitos ruins da cor preta com os acessórios e/ou batom, por exemplo.

Aliás, vou usar algumas fotos minhas como exemplos de erros x acertos na coloração pessoal, usando três exemplos de óculos de grau: uma armação cinza, uma armação preta, e uma armação tartaruga. Em todas as fotos, eu estou sem maquiagem – exceto quando apareço de batom (mas aí estou só de batom mesmo).

coloração pessoal errada 01
óculos de grau cinza: na foto da esquerda, eu estou muito mais pálida do que na foto da direita! na foto da esquerda, estou com cachecol preto: ou seja, são 2 cores erradas muito próximas do meu rosto! já na foto da direita, o cachecol vinho equilibra o a cor “errada” dos óculos e eu pareço menos pálida.
coloração pessoal errada 02
óculos de grau preto: na foto da direita eu estou mais pálida do que na foto da esquerda! embora eu esteja toda de preto na foto da esquerda, o batom vermelhinho traz o equilíbrio necessário, e até minhas bochechas estão mais rosadas. na foto da direita, o tom de bege do casaco e o tom de rosa do suéter não compensaram o efeito da armação de óculos preta!
a cor do meu cabelo está diferente na foto da direita porque, na Escócia, eu sou ruiva! hihihi! tem alguma coisa na luz escocesa que muda a cor do meu cabelo!!
óculos com armação tartaruga: embora essa cor de óculos seja muito boa pra mim, na foto da esquerda eu estou mais pálida, mesmo no sol, porque estou usando um cachecol predominantemente cinza! na foto da direita, o gorro e o cachecol nas cores certas não só compensam o casaco bege como garantiram uma carinha saudável!

O contraste é a única parte da análise cromática que pode ser identificada imediatamente, sem uso de material ou luz especial, e que pode mudar longo da vida: o contraste depende das mudanças capilares, do bronzeamento e de outras intervenções. O contraste é a diferença entre cor do cabelo, sobrancelha e olhos em relação ao tom da pele: o contraste é alto quando essa diferença é muito grande; o contraste é baixo quando essa diferença é pequena ou nenhuma; além disso, existe também o contraste médio.

Como vocês podem ver pelas fotos acima, o meu contraste é alto: meu cabelo, minha sobrancelha e meus olhos são muito mais escuros do que o meu tom de pele! O óculos cinza é o pior de todos pra mim porque é uma cor muito clara, que não dá certo no meu contraste. O óculos preto pode até enganar e parecer bom pra mim porque a cor escura harmoniza um pouco melhor com o meu contraste. O óculos tartaruga é o melhor dos 3 pra mim porque a cor dele é muito próxima das cores do meu cabelo e olhos, e o contraste fica bem equilibrado.

A análise cromática existe para indicar quais cores valorizam os traços e características pessoais, e é importante coordenar a cartela de cores com o contraste. O contraste é uma ferramenta importante na consultoria de imagem porque o personal stylist te ensinará a manter o equilíbrio de cores perto do rosto. Além disso, o profissional, com seu olhar treinado, poderá indicar se o seu contraste atual é realmente a sua melhor versão, já que o contraste pode não estar completamente equilibrado. Nesse caso, é possível ajustar o contraste – como eu falei no parágrafo anterior, o contraste depende das mudanças capilares, do bronzeamento, da sobrancelha, etc.

Uma das coisas que a Jules disse, e que eu acho que nunca vou esquecer, é que, acima de tudo, a gente quer é deixar o cliente feliz: sempre vai existir aquela cor UAU, que vai causar um sorriso no rosto e uma felicidade impossível de conter. E é esse o meu objetivo como personal stylist: fazer cada pessoa sentir uma felicidade impossível de conter quando estiver de frente pro espelho, trazendo o melhor de dentro pra fora!