Editando um armário cápsula de outono

Há mais de 2 anos, eu escrevi um post apresentando algumas dicas para fazer uma versão real do armário cápsula, que é um dos posts mais acessados na história desse blog. Com o começo do outono por aqui, que veio acompanhado de uma queda drástica nas temperaturas, eu resolvi editar um armário cápsula para a minha estação favorita a partir de peças que já habitam o meu armário.

Mais uma vez, meu ponto de partida foi uma paleta de cores restrita, buscando montar um grupo coerente de peças que funcionem entre si, permitindo multiplicar o máximo possível o número de combinações. O grupo de cores de base é formado pelos tons neutros de caramelo/cinza/preto, o grupo de suporte ficou por conta dos azuis, e as cores vinho e verde pontuam esse armário cápsula.

Para esse capsule wardrobe de outono, que poderia ser um armário cápsula de inverno em algumas cidades do Brasil, eu escolhi:

  • um trench coat longo
  • uma parka impermeável que tem forro removível
  • um blazer xadrez
  • um “chunky” suéter de lã
  • um suéter de algodão
  • um suéter de cashmere
  • uma camisa com pérolas aplicadas na pala
  • uma camisa social de veludo cotelê
  • uma camisa social xadrez
  • uma calça xadrez
  • uma calça de veludo cotelê
  • uma calça jeans
  • uma estola de cashmere
  • um cachecol de lã
  • uma bolsa grande
  • uma bolsa média
  • uma bolsa pequena
  • um par de tênis branco
  • um par de mocassim preto
  • um par de botas modelo “Chelsea”

Note que, das 20 peças escolhidas para o meu armário cápsula de outono, 4 delas já formavam conjuntinhos: o blazer e a calça xadrez compõem um terninho, look clássico para situações mais formais, enquanto a camisa e a calça de veludo cotelê já garantiriam um look caí na tinta. Além disso, esse armário cápsula segue o princípio de ter mais peças de cima (tops) do que peças de baixo (bottoms), o que sempre garante uma maior versatilidade.

O grande twist desse armário cápsula é, pra mim, o tênis branco. Um tênis branco tem a capacidade de modernizar o que é clássico, de dar personalidade ao look. Por sua vez, a bota modelo “Chelsea” é um clássico, diria até um básico para estações mais frias.

Com essas 20 peças, eu consigo pensar em incontáveis combinações: todas as calças combinam com todas as camisas, todas as calças combinam com todos os suéteres, resultando em 18 combinações possíveis. Se pensarmos nos casacos, esse número ainda triplica!

Análise cromática: o que é e pra que serve?

Quando eu fiz meu curso de formação na London College of Style, tive a maravilhosa oportunidade de aprender sobre as cores e como fazer a análise cromática com Jules Standish, autora de 2 livros e referência no assunto. Com ela, aprendi o método chamado Colourflair system of image consultancy, que foca na genética e na personalidade de cada indivíduo para descobrir quais são os tons e as cores que mais valorizam cada pessoa.

Durante uma consultoria de estilo e análise cromática, é preciso avaliar a pele do rosto com o mesmo cuidado que um cirurgião e/ou dermatologista teria para melhorar a aparência individual: a escolha correta das cores para cada tom de pele pode rejuvenescer instantaneamente, e o objetivo é garantir que a sua aparência e os seus traços sejam o mais saudáveis e atraentes quanto possível!

As paletas de cores são divididas em 4 estações (primavera, verão, outono e inverno), e cada uma destas 4 estações tem 3 subdivisões: primavera leve, primavera clara, primavera quente, inverno profundo, inverno claro, inverno frio, outono profundo, outono suave, outono quente, verão leve, verão suave, verão frio. Por ser altamente complexa, a única maneira de descobrir a cartela de cores de uma pessoa é por meio de uma análise cromática presencial!

roda de cores

Como eu falei no primeiro parágrafo, não é só a genética que importa na análise cromática: a personalidade também é um fator muito importante. A análise cromática tem uma relação intensa com a psicologia e é importante considerar as características psicológicas de cada indivíduo quando se está analisando a cartela de cores pessoal. Sociabilidade, humor, entusiasmo, curiosidade, teimosia, lealdade, criatividade, otimismo, perfeccionismo, disciplina e autoconfiança são algumas das características psicológicas que precisam ser avaliadas para ajudar na definição da cartela de cores de um indivíduo.

psicologia das cores

A cartela de cores só é realmente importante nas áreas próximas ao rosto, então é importante observá-la quando estiver escolhendo maquiagem, cabelo, acessórios (gorro e cachecóis podem fazer toda a diferença!), blusa, camisa e vestido. Com exceção do branco e do preto, as cartelas de cada estação tem pelo menos algum tom de cada cor. Ninguém precisa amar todas as cores que estão na sua cartela: afinal, você não é obrigado a usar todas elas! Aliás, dependendo do seu contraste, o ideal será evitar algumas destas cores perto do seu rosto. No mais, as restrições podem ser contornadas: quem tem tom de pele quente, por exemplo, deve evitar preto preto do rosto, ou então  “errar com consciência”, buscando amenizar os efeitos ruins da cor preta com os acessórios e/ou batom, por exemplo.

Aliás, vou usar algumas fotos minhas como exemplos de erros x acertos na coloração pessoal, usando três exemplos de óculos de grau: uma armação cinza, uma armação preta, e uma armação tartaruga. Em todas as fotos, eu estou sem maquiagem – exceto quando apareço de batom (mas aí estou só de batom mesmo).

coloração pessoal errada 01
óculos de grau cinza: na foto da esquerda, eu estou muito mais pálida do que na foto da direita! na foto da esquerda, estou com cachecol preto: ou seja, são 2 cores erradas muito próximas do meu rosto! já na foto da direita, o cachecol vinho equilibra o a cor “errada” dos óculos e eu pareço menos pálida.

coloração pessoal errada 02
óculos de grau preto: na foto da direita eu estou mais pálida do que na foto da esquerda! embora eu esteja toda de preto na foto da esquerda, o batom vermelhinho traz o equilíbrio necessário, e até minhas bochechas estão mais rosadas. na foto da direita, o tom de bege do casaco e o tom de rosa do suéter não compensaram o efeito da armação de óculos preta!

a cor do meu cabelo está diferente na foto da direita porque, na Escócia, eu sou ruiva! hihihi! tem alguma coisa na luz escocesa que muda a cor do meu cabelo!!
óculos com armação tartaruga: embora essa cor de óculos seja muito boa pra mim, na foto da esquerda eu estou mais pálida, mesmo no sol, porque estou usando um cachecol predominantemente cinza! na foto da direita, o gorro e o cachecol nas cores certas não só compensam o casaco bege como garantiram uma carinha saudável!

O contraste é a única parte da análise cromática que pode ser identificada imediatamente, sem uso de material ou luz especial, e que pode mudar longo da vida: o contraste depende das mudanças capilares, do bronzeamento e de outras intervenções. O contraste é a diferença entre cor do cabelo, sobrancelha e olhos em relação ao tom da pele: o contraste é alto quando essa diferença é muito grande; o contraste é baixo quando essa diferença é pequena ou nenhuma; além disso, existe também o contraste médio.

Como vocês podem ver pelas fotos acima, o meu contraste é alto: meu cabelo, minha sobrancelha e meus olhos são muito mais escuros do que o meu tom de pele! O óculos cinza é o pior de todos pra mim porque é uma cor muito clara, que não dá certo no meu contraste. O óculos preto pode até enganar e parecer bom pra mim porque a cor escura harmoniza um pouco melhor com o meu contraste. O óculos tartaruga é o melhor dos 3 pra mim porque a cor dele é muito próxima das cores do meu cabelo e olhos, e o contraste fica bem equilibrado.

A análise cromática existe para indicar quais cores valorizam os traços e características pessoais, e é importante coordenar a cartela de cores com o contraste. O contraste é uma ferramenta importante na consultoria de imagem porque o personal stylist te ensinará a manter o equilíbrio de cores perto do rosto. Além disso, o profissional, com seu olhar treinado, poderá indicar se o seu contraste atual é realmente a sua melhor versão, já que o contraste pode não estar completamente equilibrado. Nesse caso, é possível ajustar o contraste – como eu falei no parágrafo anterior, o contraste depende das mudanças capilares, do bronzeamento, da sobrancelha, etc.

Uma das coisas que a Jules disse, e que eu acho que nunca vou esquecer, é que, acima de tudo, a gente quer é deixar o cliente feliz: sempre vai existir aquela cor UAU, que vai causar um sorriso no rosto e uma felicidade impossível de conter. E é esse o meu objetivo como personal stylist: fazer cada pessoa sentir uma felicidade impossível de conter quando estiver de frente pro espelho, trazendo o melhor de dentro pra fora!